Encontro reúne catadoras de São Paulo e mais 7 estados

Cerca de 300 mulheres que trabalham com reciclagem de resíduos sólidos de Campinas, interior do Estado de São Paulo e de outros sete estados estiveram reunidas nos dias 10 e 11 de novembro no II Congresso Estadual de Mulheres Catadoras de Materiais Recicláveis, realizado na Estação Cultura. O evento recebeu caravanas de Goiás, Sergipe, Pará, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná e diversas cidades do interior paulista.

O prefeito de Campinas em exercício, Henrique Magalhães Teixeira, abriu oficialmente o encontro. Ele deu as boas vindas às mulheres que vieram participar dos debates sobre temas sociais voltados à inclusão social, combate à violência, economia solidária, relações de gênero e empoderamento feminino.

“Quero agradecer a presença dessas mulheres que vieram de tão longe para discutir questões sociais, ambientais, históricas, de inclusão social, trabalho e renda. E nós, enquanto gestores públicos, nos sentimos honrados e orgulhosos de apoiar e ver os resultados gerados pelo trabalho dessas mulheres”, disse o prefeito em exercício.

Em seu discurso de abertura do evento, Henrique Magalhães Teixeira destacou a importância do evento como oportunidade de reflexão. “Este congresso tem como principal finalidade proporcionar aos presentes a troca de experiências vividas por pessoas que compartilham a mesma realidade em lugares tão distantes. É um momento muito enriquecedor”, disse.

O secretário municipal de Trabalho e Renda, Luis Yabiku, cumprimentou as líderes do movimento de mulheres catadoras pela realização e sucesso do evento. “Quero destacar a união e a parceria entre as organizadoras do movimento das mulheres catadoras e os funcionários da Secretaria de Trabalho e Renda, que colocam Campinas como um exemplo de cooperativismo nos setores de geração de renda, inclusão social, meio ambiente e justiça social”, destacou Yabiku.

A secretária Eliane Jocelaine Pereira, titular das pastas de Direitos da Pessoa com Deficiência e Cidadania e de Assistência Social e Segurança Alimentar, destacou a importância do evento como oportunidade de discussão de políticas públicas voltadas à igualdade de gênero, de salários e de oportunidades. “As pessoas negras nesse país representam 54% da população brasileira e a maioria é constituída por mulheres. E 40% dos lares brasileiros dependem da força de trabalho da mulher”, ressaltou a secretária.

A técnica da Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho, Anete Fidelis, disse que o evento é uma conquista para as mulheres catadoras. “É muito importante a gente ver essa participação das mulheres e do seu desenvolvimento enquanto pessoas, profissionais, mães e agentes ambientais. É uma alegria muito grande ver como as políticas públicas de economia solidária impactam positivamente a vida de vocês”, afirmou.

Em seu discurso, Anete informou que espera a aprovação pelo Senado do Projeto de Lei que institui a Política Nacional de Economia Solidária. O projeto já foi aprovado pela Câmara Federal. “Essa lei será de suma importância para que tenhamos uma política nacional de economia solidária perene e que garanta a continuidade dos investimentos públicos neste setor, em parceria com os estados e municípios”, afirmou.

A procuradora regional do Trabalho, Margarete Matos de Carvalho, de Curitiba, também destacou a importância do congresso para a conscientização das causas das mulheres catadoras. “Temos que reafirmar o compromisso do país com a Agenda 2030, da qual o Brasil é signatário. Este compromisso global trata diretamente de temas do interesse das mulheres, como gênero, empoderamento, igualdade com os homens e contra a violência”, destacou.

Programação

O II Congresso Estadual de Mulheres Catadoras de Materiais Recicláveis é um evento promovido e organizado pela Semuc (Secretaria Estadual de Mulheres Catadoras do Estado de São Paulo), com apoio da Prefeitura de Campinas, por meio da Secretaria Municipal de Trabalho e Renda, e do Ministério do Trabalho.

Nas oficinas, os participantes debateram temas como a mulher negra e racismo, saúde da mulher, mulher na política e na economia solidária, combate à violência contra as mulheres, combate ao genocídio da população negra, mulher e diversidade sexual e organização de mulheres e feminismo.